OPINIÃO - Lixão de São Borja está com os dias contados e o meio ambiente agradece

Com a construção do aterro sanitário, o "lixão" de São Borja será extinto, acabando com um velho problema na cidade.

 

 

O lixo e seus diversos tipos de materiais é hoje um dos principais problemas dos municípios urbanizados. A produção de resíduos é grande e diretamente proporcional à população. Com isso a preocupação de uma administração que se preze, é saber qual a melhor forma para a destinação dos mesmos.

 

O aterro sanitário é considerado uma das técnicas mais eficientes e seguras de destinação de resíduos, pois permite um controle eficiente e seguro do processo, garantindo a disposição dos resíduos urbanos sem causar danos à saúde pública e ao meio ambiente.

 

Há décadas São Borja convive com um problema quase crônico que causa enormes dissabores não apenas a administração pública, mas a própria população: o lixão existente na proximidades do cemitério do Bairro do Passo.

 

Pois parece que a solução está próxima. Recebi esta semana a informação de que a empresa Eco Verde que há alguns anos é responsável pelo recolhimento do lixo na cidade, adquiriu área de terra a poucos quilômetros da sede do município, onde no ano que vem deverá construir um aterro sanitário para atender a demanda de São Borja e de outros municípios da região.

 

Para chegar a esse estágio a empresa renegociou dívida que o município possuia com ela e que em determinado período fez com que a Eco Verde suspendesse os serviços na cidade.

 

Logo no início da atual administração os proprietários da empresa sentaram a mesa com o prefeito Eduardo Bonotto e com o vice Roque Feltrin, e através de um diálogo franco, encontraram a solução. A dívida antiga com a Eco Verde foi quitada parceladamente ao mesmo tempo em que os valores mensais atualizados referentes a prestação do serviço, passaram a ser pagos em dia.

 

Foi o sinal que os proprietários da empresa precisavam para projetar o investimento que em 2020 deverá sair do papel, colocando assim um ponto final no velho problema do antigo lixão de São Borja.

 

Mais do que dar destinação correta ao lixo produzido diariamente no município, a obra irá gerar emprego e renda, mais do que uma prioridade, uma necessidade para São Borja.

 

Perante os órgãos ambientais e a própria população, o município estará cumprindo com uma das metas previstas pela atual administração e colocando um ponto final no velho problema do lixão que durante anos tirou o sono de muita gente.  

 

 

Aterro sanitário de Giruá, local para onde até pouco tempo o lixo produzido em São Borja era encaminhado.

 

OPINIÃO: Paulo Roberto Pires