São Borja, Capital Gaúcha do Fandango, comemora os resultados de público e de renda do Mês Farroupilha

 
 
 
 

O Mês Farroupilha de 2019 em São Borja, Capital Gaúcha do Fandango, não apenas lotou os salões de festas das entidades tradicionalistas e mobilizou o Cais do Porto ou a Praça XV de Novembro. Além dos locais dos eventos, todo o cotidiano da cidade viveu, durante o período, um clima de permanente repercussão e mobilização. Como produto de forte apelo turístico e cultural no Rio Grande do Sul, foi também um evento que mobilizou e atraiu não apenas os são-borjenses, como também visitantes de todo o país.

Uma demonstração do sucesso do Mês Farroupilha em São Borja está na presença crescente dos turistas. Hotéis registraram, no período específico da Semana Farroupilha, incrementos de até 50% nos níveis de ocupação. Um dos estabelecimentos contabilizou, só no dia 20, o total de 51 reservas a mais.

Os empreendedores da rede hoteleira fazem mais uma constatação. Foram muitos os turistas de outras cidades e outros estados que vieram a São Borja para participar da programação da Capital do Fandango. Por exemplo, vieram delegações das cidades da Serra Gaúcha, de Porto Alegre, de Cachoeirinha, de Belo Horizonte e de Florianópolis. Em muitos casos, famílias optaram pela locação de casas ou apartamentos, enquanto outras recorreram à residência de amigos ou ainda montaram acampamentos.

Entre os comerciantes que vendem pilchas e outras referências da cultura gaúcha, não há queixa em relação às demandas. Eles explicam que, na prática, devido ao momento de crise financeira, as pessoas em média compraram menos que em anos anteriores, mas, em compensação, foi maior o número de compradores.

A conclusão dos lojistas do segmento é de que, além da indumentária completa do peão e da prenda, muitas peças isoladamente, como bombachas e camisas também foram vendidas. Em síntese, apesar das dificuldades, o faturamento repetiu os níveis de bom desempenho registrados em 2018.

Outro setor que não tem razão para se queixar é o de supermercados. “Agora em setembro alcançamos níveis de venda iguais ou superiores aos de final do ano”, avalia um gerente. E a demanda ampliada abrange um amplo espectro de itens de consumo, que vai desde a carne do churrasco, à linguiça e ao charque do carreteiro.

As lojas de supermercados também comemoram incremento de venda em outros segmentos, como carvão, hortifrutigranjeiros e pão, por exemplo, além das bebidas. “Já desde o final de agosto a gente vinha abastecendo piquetes tradicionalistas”, relata o gerente de supermercado.

O ramo de bebidas foi outro que contabilizou altos faturamentos. “Nossas vendas neste mês de setembro acabam superando o período de carnaval, inclusive porque, na prática, semanas antes já tínhamos demanda aquecida” – avalia um gerente.

A cerveja é o carro-chefe das vendas, mas o aumento abrange também os destilados, água e refrigerantes. “Acho que conseguimos ultrapassar a meta de superar as nossas vendas em 20%”, comemora outro comerciante.

Só na cidade, uma centena de fandangos típicos foi realizada em setembro, a começar pela 1º Baile de Ramada, que reuniu mais de dez mil pessoas, no Cais do Porto. As entidades tradicionalistas – CTGs e piquetes agregados – sempre estiveram lotadas e mesmo assim, a cidade realizou um Mês Farroupilha sem quaisquer problemas na área de segurança pública, sem nenhuma ocorrência policial relevante.